sábado, maio 18, 2013

Céu de vaga-lumes - Waitomo, Nova Zelândia

O “céu” mais estrelado da Nova Zelândia fica, quem diria, embaixo da terra. 
Na escuridão da caverna, milhares de pontinhos luminosos azulados brilham insistentemente, como estrelas no céu.
Milhares de larvas luminosas, da espécie arachnocampa luminosa, encontraram na caverna Waitomo , úmida e escura, as condições ideais para se desenvolverem. Elas têm a forma de um palito de fósforo e, por meio de um processo químico, emitem luzes fundamentais para a própria sobrevivência – além de atrair e capturar insetos, a claridade serve como defesa contra predadores. Quem visita a caverna, no norte do país, sai boquiaberto com o espetáculo natural. Os vaga-lumes ficam girando pendurados por fios de seda que desfiam dos ninhos feitos no teto. Em seguida, a larva brilha para atrair presas às suas hastes, de tal maneira que o teto parece uma noite de céu estrelado. Uma larva com fome brilha mais do que uma que tenha acabado de comer. Centenas de fios suspensos do teto dão um aspecto belo e sinistro. Essa luz fantasmagórica azul é o resultado de uma reação química que ocorre no interior de uma cápsula especial na cauda. Os insetos sentem-se irresistivelmente atraídos para a fonte e depois ficam presos pelas linhas pegajosas.
 Uma vez preso, não há escapatória. Agora é só uma questão de enrolar a linha e, lentamente, devorar a captura - viva.  

 





O visitante pode ver os animais bem de perto, a bordo de um barco que navega silenciosamente pelo rio subterrâneo, a 250 metros de profundidade. Repare no belo reflexo formado pelo teto iluminado na água e nas formações de estactites e estalagmites.

Nenhum comentário: