segunda-feira, junho 15, 2009

Seis mitos da gravidez

O exame de gravidez deu positivo. Depois da alegria geral, começa uma onda de palpites. Todo mundo acha que sabe tudo sobre gravidez e sempre tem algo a dizer. "As grávidas precisam por dois" ou "Não pode comer chocolate porque dá cólicas no feto" são frases clássicas. Enfim, durante essa fase, as futuras mães são "bombardeadas" por mitos e superstições, muitas vezes sem fundamento científico, e que geram confusão.
Confira alguns mitos e verdades sobre a gravidez:

1. Grávidas sentem mais calor
VERDADE
- Em geral, a gestante tem menos tolerância ao calor porque os hormônios fazem com que haja um aumento da reserva de gordura no corpo, o que contribui para essa sensação térmica. Com a chegada dos dias quentes de verão, a grávida também transpira mais, o que facilita a perda de líquidos e sais minerais.

2. Comer chocolate durante a gestação provoca cólicas no feto
MITO -
O consumo de grandes quantidades de chocolate provoca cólicas em recém-nascidos e não no feto, segundo alguns pediatras, mas essa opinião não é unânime. Portanto, as mulheres grávidas podem comer chocolate, desde que com moderação, devido ao grande valor calórico do alimento. A ingestão em excesso de doces em geral aumenta o peso e, conseqüentemente, o risco de desenvolver doenças como diabetes da gravidez e pré-eclampsia (pressão alta, edema e liberação de proteína na urina).

3. As grávidas precisam comer por dois
MITO
- A grávida deve ganhar de 8 a 12 kg. A alimentação nessa fase tem inúmeras finalidades, entre elas manter a gestante saudável, contribuir para a formação adequada do feto e armazenar nutrientes para a fase da amamentação. Focada mais na qualidade do que na quantidade, a dieta deve ter um pequeno aumento calórico e variação de nutrientes. É bom lembrar que se deve evitar o excesso de carboidratos, dando mais prioridade a proteínas, frutas, verduras e cereais.

4. Ficar sem comer aumenta o enjôo
VERDADE
- As gestantes não devem ficar longos períodos sem comer, pois a liberação de ácidos no estômago vazio provoca o aumento dos enjôos. Além disso, o jejum aumenta os riscos de hipoglicemia (baixo nível de glicose no sangue), que, além dos enjôos, pode acarretar tonturas. A solução é a dieta fracionada: comer porções de seis a sete vezes por dia.

5. A prática sexual pode prejudicar o bebê
MITO
- Após as primeiras consultas, o obstetra terá condições de liberar, ou não, a gestante para a prática de relações sexuais. De acordo com estudos, durante o ato sexual ocorre o aumento do fluxo sanguíneo na região da bacia e isso aumenta a oxigenação fetal. A prática sexual não é recomendada em casos de anormalidades, como dilatação do colo do útero (que geralmente ocorre no último mês da gestação), sangramentos vaginais e trabalho de parto prematuro.

6. A gestante não deve praticar exercícios físicos no primeiro trimestre
MITO
- Como o primeiro trimestre é período de maior chance de abortamento (de 10% a 15% dos abortos espontâneos acontecem nessa fase), criou-se o mito. Mas a atividade física pode ser indicada no começo da gravidez, desde que a mulher passe por uma avaliação médica completa e esteja livre de fatores de risco. É claro que se for sedentária, deve ir com mais calma. Os exercícios mais indicados são os de baixo impacto como caminhadas, ioga, natação e hidroginástica.

Redação Terra

Nenhum comentário: