quarta-feira, abril 23, 2008

Especial Vinho (continuação)


Dicionário de termos utilizados pelos conhecedores de vinhos

Acerbo
- Vinho com excesso de adstringência, o que lhe dá um sabor azedo, áspero.

Açúcar
- O suco de uva contém dois açúcares simples, a glicose e a frutose, que se transformam em álcool durante a fermentação.
Contudo, uma pequena parte destes açúcares permanece no vinho depois de feito, designando-se por isso de açúcar residual.

Adstringente
- Sensação provocada pelo tanino existente no vinho que tem por efeito crispar as mucosas da boca.
Ao procurar distendê-las, o provador dá a impressão de mastigar o vinho.

Agressivo
- Diz-se de um vinho que fere o palato por excesso de acidez ou de tanino.

Açúcar
- O suco de uva contém dois açúcares simples, a glicose e a frutose, que se transformam em álcool durante a fermentação.
Contudo, uma pequena parte destes açúcares permanece no vinho depois de feito, designando-se por isso de açúcar residual.

Agreste
- Vinho com acentuadas características de acidez.

Amargo
- Sabor elementar e simultaneamente doença do vinho.

Amplo
- Vinho que alia, na mais perfeita harmonia, sabor e bouquet, o que se traduz na degustação por sensações ricas e prolongadas.

Aroma
- Cheiro do vinho apreendido pela via nasal direta, ou retro-nasal quando o vinho se encontra na boca.
Neste caso, o vinho é apreciado não só pelo aroma mas também pelo sabor e a este conjunto de sensações se dá o nome de gosto do vinho.

Aromático
- Característica quase exclusiva dos vinhos frutados que exalam aromas mais ou menos intensos.
Áspero
- Vinho adstringente e dando ao mesmo tempo a sensação de ser abrasivo.
A precipitação dos taninos faz com que esta característica tenda a atenuar-se com o tempo.

Austero
- Vinho rude, em que o bouquet é pouco perceptível devido à abundância de tanino.

Aveludado
- Diz-se do vinho que deixa na boca uma sensação de grande macieza.

Azedo
- Diz-se de um vinho com um pronunciado sabor a vinagre, proveniente do excesso de ácido acético.

Bouquet
- Conjunto de sensações olfativas que o vinho dá.

Brilhante
- Vinho límpido e que parece luminoso.

Cansado
- O vinho gosta de repouso. Operações como o engarrafamento cansam-no fazendo-lhe perder momentaneamente qualidades.

Capitoso
- Termo aplicado aos vinhos ricos em álcool e dos quais se diz que "sobem à cabeça".

Carnudo
- Vinho que dá a sensação de ter uma consistência sólida, de encher a boca.

Chato
- Diz-se do vinho que revela falta de acidez, sem caráter.

Completo
- Diz-se de um vinho que reúne todas as qualidades numa harmonia completa.

Cor
- O vinho admite uma paleta cromática variada que espelha aspectos importantes para sua caracterização.
Nos vinhos tintos, por exemplo, uma coloração azulada revela um vinho jovem enquanto que a presença de tonalidades amarelas é sinal de envelhecimento.

Corpo
- Diz-se de um vinho rico em álcool, com caráter, sabor acentuado e que enche a boca.

Cru
- Diz-se de um vinho que devido ao insuficiente amadurecimento das uvas que lhe deram origem, apresenta um excesso de acidez.
Mas de um modo geral todos os vinhos, quando muito jovens, são um pouco verdes por não estarem ainda totalmente feitos.

Curto
- Diz-se de um vinho cujas sensações desaparecem rapidamente após a sua apreciação.

Duro
- Vinho com um elevado teor de tanino e/ou um excesso de acidez. É uma característica frequente nos vinhos jovens.

Empoado
- Designa a turvação dos vinhos brancos provocada por partículas em suspensão.

Equilibrado
- Vinho no qual os diferentes elementos, tais como a acidez, o açúcar , o álcool, etc. existem em proporções adequadas.

Fino
- Termo utilizado para qualificar os vinhos de gosto delicado e perfume sutil. Esses vinhos são sempre de qualidade superior.

Fraco
- Diz-se dos vinhos produzidos em geral em maus anos, aos quais falta um pouco de tudo: cor, álcool, aroma, etc. Vinho anêmico.

Franco
- Termo que designa os vinhos que provocam sensações gostaticas e olfactivas nítidas e agradáveis.

Fresco
- Característica geralmente associada a vinhos jovens cujas qualidades se traduzem numa agradável sensação de frescura.

Frutado
- Diz-se do vinho que possui o aroma e o gosto do fruto fresco. Este termo aplica-se sobretudo aos vinhos jovens.

Garrafeira
- Designativo de qualidade genuinamente português associado ao ano de colheita, em que o vinho terá que ter tido um envelhecimento de seis meses antes do engarrafamento e de outros seis meses na garrafa no caso dos brancos e dos rosés, sendo esse mesmo envelhecimento respectivamente de dois anos e um ano no caso dos tintos.
Deverá ainda apresentar qualidade destacada e um grau alcoólico volumétrico superior, pelo menos, em 0,5º ao limite mínimo legalmente fixado.

Generoso
- Vinho vigoroso, rico em álcool, que provoca no organismo uma agradável sensação de bem-estar.

Gordo
- Termo utilizado para qualificar os vinhos untuosos e deslizantes devido ao teor elevado de glicerina que contêm

Jovem
- Uma grande parte dos vinhos devem ser bebidos jovens, altura em que apresentam maior vivacidade e têm um aroma e sabor frutado.
A grande maioria dos vinhos brancos e uma parte considerável dos tintos devem beber-se com menos de cinco anos de idade.

Limpidez
- Qualidade particularmente apreciada pelo consumidor, mas que coloca ao produtor um problema de difícil resolução já que cada operação necessária para assegurar a tão desejada limpidez faz perder ao vinho um pouco de seu aroma e do seu bouquet.

Nobre
- Diz-se de um vinho que apresenta qualidades ímpares.

Magro
- Termo que designa um vinho com fraco teor alcoólico, tênue aroma e bouquet insuficiente.

Persistente
- Diz-se do vinho cujas sensações gustativas permanecem agradavelmente nos nossos sentidos. É, em geral, um excelente vinho.

Pesado
- Termo que designa um vinho desequilibrado, caracterizado por um elevado teor alcóolico e por vezes também demasiado rico em tanino, o que mascara totalmente quer o aroma quer o bouquet, admitindo que existam.

Picado
- Diz-se do vinho que tem excesso de acidez e denota um sabor a vinagre.

Pleno
- Vinho harmonioso, bem equilibrado, rico em álcool, agradavelmente encorpado. É sempre um excelente vinho.

Quente
- Vinho rico em álcool. Dele se diz que aquece o corpo.

Quinta
- Termo utilizado para vinhos com direito a usarem a designação D.O.C.
É o equivalente às designações francesas de "château" e "domaine".

Redondo
- Vinho harmonioso, suficientemente rico em álcool e em glicerina e sem excesso de acidez. É sempre um vinho excelente.

Robusto
- Diz-se de um vinho que nos dá a impressão de se impor, vigoroso, rico em álcool que enche a boca.

Rolha
- Gosto que poderá ser detectado quando da prova, que consta de um nítido sabor a cortiça e é transmitido pela utilização na garrafa de uma rolha com defeito.

Seco
- Termo utilizado para designar os vinhos brancos que não têm açúcar. Na realidade pode-se considerar seco um vinho que contém 1 ou 2g por litro, já que a impressão de açúcar so aparece a partir dos 5g por litro para a maior parte dos consumidores.

Suave
- Vinho de perfume delicado, de grande macieza, só possível em vinhos excelentes.

Velho
- Em geral são considerados "velhos" os vinhos cuja idade está compreendida entre os 5 e 15 anos de idade.
O envelhecimento diminui a aspereza do vinho e liberta o bouquet.

V.Q.P.R.D.
- Classificação européia a que devem obedecer os vinhos de qualidade e que significa Vinho de Qualidade Produzido em Região Determinada.
Na categoria superior estão os vinhos de Denminação de Origem Controlada ( D.O.C.), depois os vinhos com indicação de Proveniência Regulamentada (I.P.R.)
fonte: CD-ROM "Wines of Portugal" 1995 - ICEP

Veja também
Conhecendo os vinhos

Como lidar socialmente com o vinho.

Nenhum comentário: