segunda-feira, março 26, 2007

Cientistas criam kit para detectar comida estragada

Cientistas da Universidade da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, estão desenvolvendo um teste para detectar se alimentos estão estragados e poderiam causar intoxicação alimentar. O teste consiste de uma espécie de palito que é inserido no alimento e detecta a presença de substâncias químicas que surgem quando o produto está se decompondo.
O palito roxo muda de cor para indicar o resultado. Vermelho significa que a comida está prestes a estragar e amarelo que já não é apropriada para o consumo. Segundo os cientistas, os sinais de que os alimentos começaram a estragar, como cheiro ruim e o surgimento de mofo, nem sempre estão presentes.

Sinais
Geralmente, testes para detectar bactérias específicas que causam intoxicação alimentar são caros, requerem kits complicados e demoram para apontar os resultados. Mas, ao invés de detectar as bactérias, o teste criado pelos pesquisadores americanos aponta a presença de componentes que são gerados quando as proteínas presentes nos alimentos começam a se decompor.

Análises preliminares com produtos como salmão fresco e atum fresco e de lata mostraram que o novo teste detectou a presença desses componentes com precisão em 90% dos casos. Os cientistas dizem que seus estudos sugerem que o teste funcionará também em alimentos como frutas e vegetais, que têm menos proteínas do que carnes e peixes.

Eles devem realizar mais estudos com o protótipo do teste e esperam que o kit esteja disponível para os consumidores em alguns anos. O coordenador do estudo, John Lavigne, disse, no entanto, que os palitos não poderão indicar qual a bactéria específica presente no alimento, como por exemplo, salmonella ou E. coli. O teste também não consegue distinguir entre a comida estragada e o mofo desejável, como o de alguns queijos.

Diferenças
O protótipo do novo teste foi apresentado no encontro da Sociedade Americana de Química. A Agência de Proteção à Saúde britânica alertou, no entanto, que muitas vezes alimentos que não estão estragados contêm bactérias que podem causar intoxicação alimentar.

"Você não pode igualar a comida estragada com a que pode causar intoxicação alimentar", disse Suzanne Surman-Lee, da agência. O professor Hugh Pennington, da Universidade de Aberdeen, na Grã-Bretanha, disse que o teste pode ser mais útil para os comerciantes que vendem alimentos do que para o consumidor final.

Um porta-voz da Food Standards Agency, que regula o setor, disse que a presença dos componentes químicos detectados pelo teste geralmente indicam que os alimentos não foram preparados e armazenados de forma apropriada. "Um teste desse tipo não deve ser usado para substituir as técnicas eficientes de estocagem e preparo", disse.

Todos os anos na Grã-Bretanha cerca de seis milhões de pessoas, 10% da população, sofrem pelo menos uma vez de intoxicação alimentar. A maioria das pessoas tem sintomas leves e se recupera rapidamente, mas alguns casos se tornam mais sérios e acabam no hospital.

BBC Brasil

Nenhum comentário: